sexta-feira, Fevereiro 28, 2014

Sandra,minha linda Sandra, sempre no meu coração...
 Todos os dias o meu pensamento voa até ti!
e tenho  tanta, tanta saudade...


quinta-feira, Fevereiro 28, 2013





Mesmo passados 18 anos, as saudades que sinto, minha filha, continuam imensas! A tua partida rumo ao infinito deixou um grande vazio na minha vida! Até sempre, minha querida Sandra Sofia.Onde quer que estejas.

sábado, Dezembro 22, 2012



Soneto de Natal

Um homem, — era aquela noite amiga,
Noite cristã, berço no Nazareno, —
Ao relembrar os dias de pequeno,
E a viva dança, e a lépida cantiga,
Quis transportar ao verso doce e ameno
As sensações da sua idade antiga,
Naquela mesma velha noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno.
Escolheu o soneto... A folha branca
Pede-lhe a inspiração; mas, frouxa e manca,
A pena não acode ao gesto seu.
E, em vão lutando contra o metro adverso,
Só lhe saiu este pequeno verso:
"Mudaria o Natal ou mudei eu?"
Machado de Assis

quarta-feira, Novembro 07, 2012


Eu era uma jovem quando ela nasceu pequenina, moreninha, linda! Eu achava-a linda!Sempre a achei linda!A minha  filhota cresceu e partiu um dia.  Faria hoje 42 anos. 
Recordo-a todos os dias. Sinto ainda hoje o calor do seu abraço,o gosto do seu beijinho. Não esqueci a sua voz. Tenho imensas saudades dela. Não a vejo mas sinto que me acompanha.Não a esqueço e amá-la-ei sempre, como se estivesse aqui ao meu lado.  Onde ela paira, certamente receberá o meu beijo. E sentirá a minha profunda e, ao mesmo tempo, doce saudade. Até sempre, queria Sandra.

quarta-feira, Outubro 31, 2012

Uma flor pelos meus que se foram e me deixaram imensas saudades.
Sandra, Sempre no meu coração.

sábado, Junho 02, 2012

Lá, do outro de um Mundo que ainda não conheço, está a minha filha Sandra Sofia.
Nesta época do ano, a saudade agudiza...

sábado, Maio 19, 2012

Só!

Só!
Sem lágrima
sem riso
sem voz,
mulher dolorida
a vida desfeita
 estuprada
na mata
pariste teu filho.
Da mata o levaram
 em noite escura
se perdeu teu filho.
Envolto nas brumas
o corpo frio
 destroçado
 à vala se deu! (Díli, 2012)